top of page

Na jornada de Carlinhos no Ciclo da Cana-de-Açúcar, o leitor acompanha o protagonista crescer e passar de uma criança ingênua e solitária, para um adulto ambíguo. Seu desenvolvimento pessoal acrescenta profundidade na narrativa de José Lins do Rego, que mostra o fim dos engenhos tradicionais e a chegada das máquinas sempre costurando isso com o arco narrativo do protagonista.

No Ciclo do Cangaço, que começa com Pedra Bonita e termina com Cangaceiros, lançado pela Global Editora, acontece a mesma coisa. Em declaração sobre o livro, Zé Lins diz: “É o sertão dos santos e dos cangaceiros, dos que matam e rezam com a mesma crueza e a mesma humanidade.” O início do ciclo tem seu pontapé ao mostrar a infância e os dilemas de Bentinho.

Em Pedra Bonita, ele precisa decidir entre seguir o irmão, membro ativo do movimento do cangaço, ou adotar o estilo de vida do seu tio e entrar para a igreja. Cangaceiros, que é a continuação direta da história, tem algumas características parecidas. Além da trama ter a mesma qualidade imersiva tão presente nas obras do autor, a história é dividida em 2 partes. Uma abordando o movimento do cangaço em si, pela visão de personagens icônicos como Aparício (o líder), Germano, Bem-te-vi e Beiço Lascado. E a outra mostrando como Bentinho é obrigado a cuidar da mãe mentalmente instável, acompanhar a jornada intensa dos seus irmãos (ambos envolvidos no cangaço) e como ele se apaixonada sutilmente por Alice, um ponto fora da curva na sua vida caótica. Sempre olhando as mudanças da margem, o protagonista precisa, de uma vez por todas, entender seu papel no mundo em que vive. Assim, Cangaceiros é um livro interessante em mais de uma frente: tanto na construção de personagem, quanto na visão ambígua de um movimento que já foi muito retratado pela cultura no geral – por meio de cinema, TV e até mesmo na música. Assim como o Ciclo da Cana-de-Açúcar, José Lins do Rego mostra um conhecimento profundo não apenas pelas suas raízes nordestinas, como também por figuras complexas.

 

José Lins do Rego nasceu em 3 de junho de 1901, em Pilar, Paraíba e faleceu em 12 de setembro de 1957, na cidade do Rio de Janeiro. Publicou em 1932 seu primeiro livro, Menino de engenho, romance que foi seu passaporte de entrada para a história do moderno romance brasileiro. Além de romancista, o escritor paraibano foi também contista, cronista, tradutor e jornalista, tendo contribuído ao longo de sua vida para vários periódicos brasileiros. Seus livros foram traduzidos para o inglês, francês, espanhol, alemão, italiano, dentre outras línguas. Em 1956, ano anterior ao de seu falecimento, tornou-se membro da Academia Brasileira de Letras.

Nasceu no Crato, Ceará, em 1962. Começou a carreira de jornalista no Recife, e atuou muitos anos como repórter investigativo. É colunista da Folha de S.Paulo e comentarista dos programas “Saia Justa” (GNT) e “TV Folha” (Cultura). Autor de vários livros de contos e crônicas, faz parte de Essa história está diferente, ficções sobre músicas de Chico Buarque.

 

  • Editora ‏ : ‎ Global Editora; Português edição (15 agosto 2022)
  • Idioma ‏ : ‎ Português do Brasil
  • Capa comum ‏ : ‎ 384 páginas
  • ISBN-10 ‏ : ‎ 6556123188
  • ISBN-13 ‏ : ‎ 978-6556123189
  • Dimensões ‏ : ‎ 14 x 2 x 21 cm

Cangaceiros - José Lins do Rego

SKU: 9786556123189
24,00 €Preço